PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
08/10/2017 12h21 - Atualizado em 08/10/2017 13h23

Com ajuda da vacina o tétano materno e neonatal foi eliminado nas Américas

Blog da Saúde


A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas/OMS) declarou a eliminação do tétano materno e neonatal (TMN) nas Américas.

 

A vacinação, aliada aos cuidados de higiene durante o parto e o pós parto, foi fundamental para a região alcançar esse objetivo.

 

O Brasil eliminou o TMN enquanto problema de saúde pública em 2003. Um dos principais fatores que colaboraram para a redução de casos no país foi a adoção de medidas simples de prevenção, como a aplicação de vacinas.

 

"Com a vacinação e informações qualificadas no pré-natal, conseguimos eliminar o tétano neonatal. A vacina protege a mãe e o bebê mas, além disso, é preciso ter um cuidado com a limpeza do umbigo também", explica a Coordenadora-Geral de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Maria Esther Vilela. O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza, para gestantes, duas vacinas contra tétano.

 

A dupla-adulto, que protege contra difteria e tétano, tem o esquema vacinal de três doses, de acordo com o histórico de proteção. Já a dTpa (difteria, tétano e coqueluche acelular) deve ser administrada a cada nova gestação, a partir da 20ª semana de gravidez. Além disso, o SUS oferta para gestantes a vacina contra hepatite B.

 

"A eliminação do tétano materno e neonatal comprova mais uma vez que as vacinas salvam a vida de incontáveis mães e bebês", avalia Carissa Etienne, Diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS). O último país a declarar a eliminação da doença na região foi o Haiti.

 

O tétano materno e neonatal é a sexta doença eliminada nas américas por conta da vacinação. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já declarou que as Américas eliminaram a varíola, a poliomielite, a rubéola e a síndrome da rubéola congênita.

 

No ano passado, o sarampo também entrou para lista de patologias que podem ser prevenidas com imunização eliminadas no continente americano.

 

Pré-natal

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2015, a doença matou cerca de 34 mil recém-nascidos em todo o mundo, uma redução de 96% em relação ao ano de 1998, quando 787 mil crianças morreram por causa da infecção em seu primeiro mês de vida.

 

O Brasil registrou a última morte pela doença em 2012. Para que a doença não volte a circular no País, o Ministério da Saúde investe na prevenção, com a realização do pré-natal.

 

"Aqui no Brasil, em média, as mulheres fazem quatro ou mais consultas durante a gravidez, o que ajudou na eliminação", avalia a coordenadora de Saúde da Mulher.

 

Com visitas frequentes ao posto de saúde, é possível monitorar o crescimento da barriga e as alterações de pressão da gestante, atualizar a situação vacinal, entre outras medidas que asseguram uma gravidez saudável.

 

Cuidados com o coto Umbilical

O tétano neonatal pode ocorrer por quatro motivos: infecção do coto umbilical não cicatrizado do recém-nascido pela bactéria Clostridium tetani, sobretudo quando o instrumento usado para cortar o cordão umbilical não está esterilizado; nascimento do bebê sobre uma superfície contaminada; falta de higiene das mãos da pessoa que realiza o parto; ou por alguns hábitos culturais de cuidados com o coto umbilical contribuem para os casos de tétano.

 

"Antigamente, tinha-se a prática de colocar pó de fumo, pó de café, pena de galinha preta, ervas secas, entre outras práticas para curar o umbigo do bebê.

 

Esse tratamento é que levava ao tétano. Por isso, são importantes as informações do pré-natal", destaca Vilela.

 

As infecções são evitadas com a adoção de boas práticas de higiene durante o parto e os cuidados pós-parto, além disso, a imunização das gestantes.

 

O cuidado com coto umbilical é fundamental para a saúde do bebê, reforça o coordenador de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Sérgio Nishioka.

 

"Um curativo bem feito, sem contaminação, com higiene não vai transmitir tétano. A vacina é importante justamente porque não serão 100% das pessoas que farão esses cuidados de forma adequada", alerta.

 

Mantendo a eliminação

Manter as vacinas em dia;

Realizar o pré-natal e adotar os cuidados necessários no pós-parto;

Adotar cuidados com o cordão umbilical

Nishioka destaca, ainda, que a vacina é a melhor forma de prevenção e alerta que é importante que as pessoas se vacinem contra o tétano mesmo na fase adulta.

"O reforço ideal é a cada 10 anos, para que você garanta que todo mundo tenha uma imunidade protetora ao longo da vida", esclarece.

Essa proteção está disponível gratuitamente no (SUS). São oferecidas à população 19 vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde.

Apesar da boa notícia, o coordenador de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde destaca que o tétano nunca será erradicado, pois se trata de uma bactéria.

"A doença está eliminada, mas em se tratando do tétano se considera a eliminação como problema de saúde pública, pois atingimos um nível tão baixo de casos que isso é considerado aceitável".